Número total de visualizações de página

sábado, março 26

eu preciso… essa estrada que me espera ora aberta e livre, ora escura e sinuosa pondo-me a teste, a estrada diz-me que eu não sou dela diz-me que não sou de alguém de ninguém


- somos só livros, abertos ou fechados intensos ou tranquilos de comum somos breves páginas entre milhares de outras histórias (vidas), a estrada grita e ralha comigo dizendo passa, passa moço o mundo é teu se assim tu quiseres passa e logo não pares porque terás lugar de descanso (com calma e bela paisagem) mais adiante depois de levares com os teus anseios e receios sete vezes até que não mais caias por surpresa, se assim o fizerdes e perseguires (o teu beijo) terás de alimento fruta que te matará a sede de morrer amado nos braços de anjo ou gente da gente (que morre, falha, adoece, carece)…


falha? então quero mar para navegar, nele da minha imperfeição me curar jogarei da minha frontalidade julgo que anti-diplomacia nunca o (mar) atordoa ou o faz desconfiar e esse mar que já me estranha porque (deixei…) nos distanciámos em Lá, eu no meu tom cada vez mais grave soltando a tensão que me afinava o lado mais cru e anti-social, mas o mar que nunca se antecipa deixa-me expectante (puto) obrigando-nos a perceber que somos pequenos demais, o mar rebate sem retirar mostrando-se eternamente imenso (daqui não saio)… e eu desisto de lutar assim.


Quero ler… nas entrelinhas, menos… dá-me apenas factos, sem cactos para cuidar sem noites para me tratar e essa curiosa pessoa que me descobre (até se cansar) peço-lhe delicadamente, canta-me uma canção de embalar, diz-me que acordar é bom e que nos sentimos felizes e completos… passa a tua mão suave pelos meus ombros caídos por adivinhar (revolta) ira do mundo que hora vai - hora deixa-se adivinhar porque tudo é imundo, fede e (sem mistério) deixa-se anunciar.


eu preciso… dessa estrada desse mundo feito a fio, linha que nos foi dada para aprender a cozer… sei que o dono dessa agulha sou eu.


terça-feira, março 8

lá no horizonte

quem percorrer mais e melhor esse circulo… não foi sexta nem sábado quando me decidi que era hora, foi porque cá dentro de mim aceitei que era um facto uma realidade a que teria de enfrentar se te quisesse amar longe ou perto não importa porque ainda assim seria sempre distante dos teus cabelos dos teus desejos dos teus filhos da tua família.


sei o que tive quando te tive a meu lado, livre e sentido-me em casa por breves momentos… ai, mataria para que me pudesses crer? acho que não… é só mais uma volta no carrossel e por sinal até faço-a comigo e tu a meu lado do meu lado esquerdo para que cada pulsar teu seja meu também e assim me irrigue a memória de coisas boas que tive, só coisas boas. sozinhos fizemos um momento, depois dois momentos vários dias e um facto só nosso, do qual só me lembro de querer estar à tua altura…


até hoje, ainda hoje é o que quero ter o que for preciso para estar à tua medida do teu ser. Leva-me contigo se puderes, ou salva-me do que persigo e mostra-me quem sou dando-me o que eu realmente preciso ainda que nos custe a mudança! que seja para sempre para bem ser for mudança o que preciso… até lá sempre estaremos juntos nesse nosso círculo, ora aberto ora fechado.