Número total de visualizações de página

sexta-feira, dezembro 19


Oi gente ;o) como vão voçês connosco tudo a correr

Estou na cidade maravilhosa curtindo a vida sob um outro olhar. Quem cá esteve sabe o que isso pode significar.

Beijos e abraços para vós...

domingo, dezembro 7

Comoção

There is a woman in somalia
scraping for pearls on the roadside
there's a force stronger than nature
keeps her will alive
this is how she's dying
she's dying to survive
don't know what she's made of
i would like to be that brave

she cries to the heaven above
there is a stone in my heart
she lives a life she didn't choose
and it hurts like brand-new shoes

hurts like brand-new shoes

there is a woman in somalia
the sun gives her no mercy
the same sky we lay under
burns her to the bone
long as afternoon shadows
it's gonna take her to get home
each grain carefully wrapped up
pearls for her little girl

hallelujah
hallelujah

she cries to the heaven above
there is a stone in my heart
she lives in a world she didn't choose
and it hurts like brand-new shoes
hurts like brand-new shoes

sexta-feira, dezembro 5



Minha grande banda, sem dúvida, um hino cada canção...

quinta-feira, dezembro 4


Esta semana toquei ao vivo com emissão em directo para a Rádio da Universidade do Algarve, leia-se rádio rua, em frequência 102.7 FM.

Que bem que soube o trabalho feito em altas horas ser finalmente ouvido e apreciado por pessoas que não nos conheciam antes, o som alto e bom, permitia-me estabilizar por dentro numa ambiguidade que possibilitava ver nos olhos dos meus camaradas de grupo o prazer de deixar correr a água que se tinha acumulado na nossa barragem, Original Electro Groove, criando assim forças de energia humana, musical e humana outra vez.

Houve quem me dissesse que eu estava feliz enquanto tocava, sobre isso não sei, bebi umas canecas talvez estivesse contente aparentemente. O álcool tem destas coisas.

Hoje estivemos a ouvir um excerto desse concerto e não houve grandes alaridos estamos contentes connosco mesmos e com o que se pode fazer, sem inventar muito.

Vivemos em montanhas, nem sempre estou em casa, de cada vez que emergi é uma trabalheira voltar a encontrar-me, e quem me conhece bem sabe que gosto de explorar trilhos novos, sempre com o meu amor cá dentro, amor-próprio, para viajar de verdade.

Foi óptimo… pé no chão!